A Rádio Vaticano comemora neste dia 12 de fevereiro 90 anos
16/02/2021 10:14 em Internacional

Silvonei José – Vatican News

A Rádio Vaticano comemora neste dia 12 de fevereiro 90 anos. E neste dia 12 de fevereiro nasce a Web Rádio Vaticano…

É precisamente a união entre a web e o rádio a direção do nosso futuro. A partir deste 12 de fevereiro, de fato, tem início a aventura da Web Rádio Vaticano (https://www.vaticannews.va/pt/epg.html) em português. A estreia será também em italiano, francês, inglês, espanhol, alemão e armênio. Ao longo deste ano, serão criados ainda outros 30 programas ao vivo correspondentes ao mesmo número de idiomas, que podem ser ouvidos tanto no site da rádio como através do atual aplicativo da Rádio Vaticano.

Um tipo de uso que, explica o prefeito do Dicastério para a Comunicação Paolo Ruffini, "permitirá a qualquer pessoa no mundo, a partir de seu smartphone ou computador, ouvir a Rádio Vaticano em sua própria língua". Cada idioma é uma rádio, um horário, um vínculo que se fortalece com os ouvintes. Mais um paço na orientação de Francisco: alcançar as periferias do mundo.

A Nossa história

Após a assinatura do Tratado de Latrão, em 1929, Pio XI encarregou Guilherme Marconi de construir uma estação de rádio no âmbito do novo Estado do Vaticano, para poder comunicar livremente além-fronteiras e falar aos católicos de todos os países e às regiões do mundo onde os regimes totalitários impediam os católicos de viverem livremente a própria fé.

Para dirigir a nova rádio, Pio XI chamou o sacerdote jesuíta Pe. Giuseppe Gianfranceschi, físico e matemático. Em 12 de fevereiro de 1931, Pio XI inaugurou as instalações com um discurso em latim que suscitou grande emoção no mundo inteiro.

Entre as primeiras transmissões experimentais estava o Scientiarum Nuncius Radiophonicus, uma resenha das atividades da Pontifícia Academia das Ciências.

Quando o Papa Pio XI veio a falecer, em 9 de fevereiro de 1939, a Rádio fez a cobertura completa do Conclave e, em seguida, da cerimônia de coroação de Pio XII, comentada em nove línguas. Novos estúdios e escritórios foram instalados na “Palazzina Leão XIII” que fora sede, até 1936, do Observatório Astronômico Vaticano.

Quando eclodiu a II Guerra Mundial, em setembro de 1939, a Rádio transformou-se em um precioso meio de livre circulação de informações, apesar das censuras e tentativas de interferências. Joseph Paul Goebbels, um dos homens mais importantes da hierarquia nazista e ministro da Propaganda do regime de Hitler, prometeu silenciá-la; os membros da Resistência Francesa transcreviam as transmissões radiofônicas da Rádio Vaticano e as distribuíam clandestinamente. Na época, a redação da Rádio era formada por sacerdotes jesuítas que transmitiam em oito línguas.

Em janeiro de 1940, nasceu o Escritório de Informações que lançava apelos em busca de civis e militares desaparecidos e transmitia mensagens das famílias aos prisioneiros. De 1940 a 1946, foram enviadas pela Rádio Vaticano, 1.240.728 mensagens, correspondentes a 12.105 horas de transmissões.

Com o fim das hostilidades, o alargar-se do domínio comunista no Leste da Europa levou a emissora pontifícia a multiplicar rapidamente os programas transmitidos nas línguas dos povos oprimidos, e novos idiomas passaram a fazer parte de suas transmissões, o que tornou necessária a utilização de transmissores mais potentes e de redes de antenas direcionais.

Em 1954, iniciaram-se os trabalhos de construção de um Centro de Transmissões em Santa Maria de Galeria, inaugurado em 27 de outubro de 1957, por Pio XII. Foram potencializadas também as transmissões específicas voltadas para a África, América Latina e Ásia.

Em 1958, ano da eleição de João XXIII, foram instalados novos estúdios e escritórios no ex-Museu Petriano, para fazer frente aos contínuos desenvolvimentos da Rádio que dedicou ao Concílio Ecumênico Vaticano II mais de três mil horas de transmissões, em 30 línguas.

Em 1963 foi eleito Paulo VI que, com sua peregrinação à Terra Santa, em janeiro de 1964, inaugurou a série de viagens papais. Um novo compromisso para os jornalistas e técnicos da Rádio, enviados especiais que acompanham o Papa. Paulo VI encorajou muito o aumento da produção de progamas informativos e formativos de qualidade. Por isso, a Rádio, após uma breve permanência no Palácio Torlonia, transferiu-se para a nova grande sede do Palazzo Pio, no início da Via della Conciliazione (a rua da Conciliação).

Com Paulo VI, teve início o período das grandes viagens internacionais que se intensificariam no pontificado de João Paulo II. A Rádio Vaticano tornou-se, assim, itinerante junto com o Pontífice, ampliando seus horizontes e suas relações internacionais. Em 1971, por ocasião do 40º aniversário da Emissora, seus diretores foram recebidos em audiência pelo Papa.

Em 29 de janeiro de 1970, o então cardeal secretário de Estado, Jean Villot, inaugurou o Palazzo Pio, a nova sede da Rádio que já transmitia 19-20 horas por dia, em 32 línguas e dispunha de um complexo de transmissores com mais de 1.000 kW. O quadro de funcionários era composto de 260 pessoas, de 38 países.

Em 1978, após o brevíssimo pontificado de João Paulo I, foi eleito João Paulo II que, poucos dias após sua eleição, visitou a sede do Palazzo Pio. O Papa das grandes peregrinações apostólicas na Itália e no exterior; o Papa que, todo primeiro sábado de cada mês, rezava o Terço ao vivo, em união espiritual com o mundo inteiro. Com ele, a Rádio comemorou seus 60 anos, ocasião em que João Paulo II visitou o Centro de Transmissões de Santa Maria de Galeria.

As novas possibilidades oferecidas pela modena tecnologia levaram a uma rápida transformação das atividades de radiodifusão. Das tradicionais Ondas Curtas e Médias se passou, nos anos 90, às transmissões via satélite – com duas estações terrestres no Vaticano – e, em seguida, através da Internet.

Um número crescente de emissoras de vários tipos e dimensões, sobretudo católicas mas não somente, pôde, assim, passar a retransmitir os programas da Rádio Vaticano em seus próprios idiomas: em 2005 já eram mais de mil.

A produção dos programas passou rapidamente da tecnologia analógica à digital: desaparecem os gravadores com fitas magnéticas e os computadores tomaram o seu lugar.

Os eventos de dimensão mundial do Grande Jubileu do ano 2000, a morte de João Paulo II e a eleição de Bento XVI, em 2005, empenharam profundamente a Rádio Vaticano, no seu serviço de presença na vida da cidade (com o desenvolvimento de canais em FM ao vivo, para Roma) e de difusão da mensagem da Igreja Católica no mundo inteiro, e multiplicaram suas formas de colaboração e serviço com emissoras e agências de informação de todos os tipos.

Em 2006, a Rádio Vaticano celebrou os seus 75 anos de existência, com a primeira e histórica visita de Bento XVI, no dia 3 de março, ao Palazzo Pio; permanecem gravadas na memória dos funcionários as palavras do Papa que, com tom cordial e amável, exortou a emissora pontifícia a ser uma voz da verdade e um coro de muitas línguas a serviço da paz e do diálogo entre as religiões.

Um nova meta foi alcançada em 2007, com o 50º aniversário do Centro de Trasmissões de Santa Maria de Galeria, celebrado na presença do cardeal secretário de Estado, Tarcisio Bertone. Durante o ano, uma novidade na área multimedial marcou presença no site web da Rádio: graças a uma colaboração em estreita sinergia com o Centro Televisivo Vaticano (CTV), são publicadas, diariamente, notícias em vídeo, “pílulas” televisivas de um minuto, que narram as atividades do Papa, com a ajuda das imagens gravadas pouco antes, pelo CTV.

Nos últimos anos, foram feitas muitas experimentações de tecnologias de transmissão digital (DRM, T-DAB, T-DMB). Também do ponto de vista informativo, radiojornais e boletins produzidos pela emissora vão ao encontro de uma notável ramificação de distribuição, graças à utilização sistemática de newsletters, podcasts, e contribuições áudio e vídeo.

Em 2009 a dupla Rádio Vaticano-CTV desembarcou no YouTube, com o novo canal vaticano em quatro línguas, enquanto 2010 foi o ano do Twitter (6 canais).

Foi uma das últimas fronteiras alcançadas pela emissora que, segundo sua longa tradição, continua a se manter orientada para a vanguarda tecnológica que se faz necessária seja para adequar a própria missão ao "rápido desenvolvimento" das comunicações, seja para “dar uma alma” ao mundo digital e à Internet.

E chegamos a 2021: a Rádio Vaticano, nascida em 12 de fevereiro de 1931, completa seus 90 anos de existência, com o olhar voltado para o futuro; quase 12 mil horas de transmissão em um ano, incluindo transmissões ao vivo, programas informativos, litúrgicos e musicais. Esta é a carteira de identidade da Rádio Vaticano. Hoje transmitimos em 41 idiomas e todos os dias levamos as palavras do Evangelho e a voz do Papa para o mundo inteiro.

A Rádio Vaticano sempre falou muitos idiomas, mas não tínhamos programações linguísticas especiais. A rádio Web, que agora está sendo criada, estreará em italiano, francês, inglês, espanhol, português, alemão e armênio. Ao longo deste ano, serão criados quase 30 canais ao vivo, correspondentes ao mesmo número de idiomas, que podem ser ouvidos tanto na página da rádio, especialmente desenvolvida em sinergia com o Vatican News, como através do aplicativo da Rádio Vaticano. Será dado um amplo espaço à música e à liturgia em latim. Hoje a Rádio Vaticano faz parte do Dicastério para a Comunicação.

O Programa Brasileiro

Depois de 27 anos de fundação da Rádio Vaticano, nasceu também o “Programa Brasileiro”. Era o dia 12 de março de 1958.

Desde então o Programa Brasileiro juntamente com outros programas da Rádio Vaticano constitui o “universo” de países e comunidades da emissora do Papa.

Seu primeiro responsável foi o Padre Antônio Aquino, que, na época, era Reitor do Pontifício Colégio Pio Brasileiro, em Roma. Em todos esses anos, nossa redação contou com a colaboração direta de vários Bispos, sacerdotes e leigos.

Somos um grupo de profissionais da comunicação irmanados pelo desejo de levar ao povo brasileiro e aos ouvintes de língua portuguesa, espalhados pelo mundo, a voz e os ensinamentos do Santo Padre, o Magistério da Igreja, e as notícias da Igreja no mundo.  

Paralelamente, buscamos oferecer um amplo panorama das notícias internacionais, dando ênfase aos temas e problemáticas relacionados com a liberdade e os direitos humanos, sobretudo o direito à vida. Acreditamos, firmemente, que a base de uma boa formação é a boa informação.

Além disso, as reflexões, análises e orientações oferecidas pelos sacerdotes que compõem a nossa equipe, fornecem os fundamentos necessários a uma correta análise e avaliação da realidade que nos circunda, a fim de que possamos defender e promover os valores cristãos e a dignidade do ser humano no seio de cada cultura, num mundo marcado pela dor, pela indiferença e pela injustiça. Um mundo que clama por uma nova Evangelização.

A partir de 8 de janeiro de 1996, a Rádio Vaticano começou a transmitir também através do Satélite Intelsat VI.

Graças às redes de rádio em todo o país como Canção Nova, Rede Católica de Rádio, através da Rádio Aparecida, Rede da Milícia da Imaculada, Rede Fraternidade no Rio Grande do Sul e de inumeráveis emissoras espalhadas por todo o país, hoje a “Rádio do Papa” pode ser ouvida em todo o Brasil. São 3 programas diários colocados à disposição das emissoras e dos ouvintes e um semanal de aprofundamento,. Programas que também chegam ao continente africano, como por exemplo, a Rádio Nova de Cabo Verde.

Nas cerimônias papais na Praça São Pedro e na Basílica Vaticana, como também nas viagens Apostólicas, o Programa Brasileiro também está sempre presente com a crônica do evento em português.

Além das emissoras que nos retransmitem via satélite, nós oferecemos também uma programação através da rede, Internet e Ondas Curtas.

Outra maneira de estar presente na vida da Igreja e do povo brasileiro é o site Vatican News.

Via Internet o Programa Brasileiro da Rádio Vaticano oferece notícias diárias das atividades do Santo Padre e da Igreja em Roma e no mundo. Agora com um novo instrumente, a WEB Rádio em português.

O Programa Brasileiro da Rádio Vaticano completa neste ano 63 à serviço da Igreja no Brasil. O Programa em língua portuguesa 80 anos. Foram anos buscando documentar fielmente os acontecimentos mundiais e suas ressonâncias, mas acima de tudo divulgando a Palavra do Papa, seus ensinamentos e seu magistério. Décadas de serviços e um princípio fundamental inalterável, “bem informar para bem formar”.

 

-Vatican News

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE