POBREZA E CARIDADE
22/11/2021 16:47 em Nacional

Segundo o Governo Federal, 2,8 milhões de famílias vivem em pobreza, com renda entre R$ 90 e 178 per capita mensais. É considerada família vivendo em extrema pobreza aquela com renda per capita de até R$ 89 mensais. Seriam essas 14,5 milhões de famílias brasileiras. A Folha da Manhã nos informa que, na região, cerca de 50 mil famílias vivem na extrema pobreza.

Em sua mensagem para o V Dia Mundial dos Pobres, que comemoramos no domingo passado, o Papa Francisco usa como tema a frase de Jesus: “«Sempre tereis pobres entre vós» (Mc 14, 7) e resume: “Os pobres estão no meio de nós”. É isso um convite à caridade e solidariedade cristãs, sempre presentes na Igreja, a maior instituição caritativa do planeta.

Se a Igreja Católica saísse da África, 60% das escolas e hospitais seriam fechados. Quando a epidemia de AIDS estourou nos EUA e as autoridades não sabiam o que fazer, as freiras da Igreja foram convidadas a cuidar dos doentes, porque ninguém mais queria fazê-lo. No Brasil, até 1950, quando não existia nenhuma política de saúde pública, eram as casas de caridade da Igreja que cuidavam das pessoas que não tinham condições de pagar um hospital.

               A Igreja Católica mantém na Ásia: 1.076 hospitais; 3.400 dispensários; 330 leprosários; 1.685 asilos; 3.900 orfanatos; 2.960 jardins de infância. Na África: 964 hospitais; 5.000 dispensários; 260 leprosários; 650 asilos; 800 orfanatos; 2.000 jardins de infância.

               Na América: 1.900 hospitais; 5.400 dispensários; 50 leprosários; 3.700 asilos; 2500 orfanatos; 4.200 jardins de infância. Na Oceania: 170 hospitais; 180 dispensários; 1 leprosário; 360 asilos; 60 orfanatos; 90 jardins de infância.

               Na Europa: 1.230 hospitais; 2.450 dispensários; 4 Leprosários; 7.970 asilos; 2.370 jardins de infância.

               É o que você, católico, ajuda, quando oferece na Igreja, no dia 29 de junho, o óbolo de São Pedro, que é enviado ao Papa, que o usa nas obras de caridade da Igreja.

               E tudo isso sem muito alarde e propaganda. Assim nos ensina Jesus: “Quando deres esmola, não mandes tocar a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para receber a glória humana. Em verdade, vos digo: já receberam sua recompensa. Tu, porém, quando deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita, de modo que tua esmola fique em segredo. E teu Pai, que vê o que está em segredo, te retribuirá” (Mt 6, 2-4).

 

               “O amor aos pobres inspira-se no Evangelho das bem-aventuranças e no exemplo de Jesus com a sua constante atenção aos pobres. Jesus disse: «Todas as vezes que fizerdes isto a um só destes irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes» (Mt 25,40). O amor aos pobres manifesta-se na ação contra a pobreza material e contra as numerosas formas de pobreza cultural, moral e religiosa. As obras de misericórdia, espirituais e corporais e as numerosas instituições de beneficência que surgiram ao longo dos séculos, constituem um concreto testemunho do amor preferencial pelos pobres que caracteriza os discípulos de Jesus” (Compendio CIC 520).

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE